Mortalidade perinatal subiu em Portugal

Escrito por PAIS&Filhos Sexta, 19 Novembro 2010

Os números da mortalidade infantil, perinatal e neonatal subiram no último ano. Algo que não acontecia desde 2006, revelam os dados apresentados na publicação Natalidade, Mortalidade Infantil, Fetal e Perinatal 2005/2009, da Direcção-Geral da Saúde.

Em 2009, a mortalidade infantil (até ao primeiro ano de vida) fixou-se em 3,6 por mil bebés nascidos. O que representa um aumento de 0,3 em relação a 2008. Um total de mais 17 óbitos.

A mortalidade perinatal (inclui as mortes fetais depois das 28 semanas de gestação e as mortes de nados-vivos com menos de sete dias) passou para 4,6 por mil bebés nascidos em 2009. Mais 0,6 do que em 2008. Mais 27 óbitos do que no ano anterior.

A mortalidade neonatal (até aos 28 dias de vida) também subiu. Morreram mais 12 bebés desta idade em 2009 do que em 2008.

Jorge Branco, responsável pela comissão de saúde materna e neonatal, disse ao Diário de Notícias que a «subida está a ser estudada, apesar de continuarmos a ter um dos melhores indicadores a nível europeu». E mostrou-se optimista: «No entanto, quero acreditar que iremos recuperar para os valores anteriores no próximo ano».

Maria do Céu Machado, alta comissária da Saúde e pediatra, explicou ao jornal diário que esta subida se deve sobretudo «à subida dos óbitos neonatais e isso é associado ao crescimento do número de bebés prematuros».

«As mulheres têm filhos cada vez mais tarde, têm mais problemas de infertilidade e são mais fumadoras», justificou, explicando que estas condições levam a um maior risco de partos prematuros.